sábado, 30 de junho de 2012

Marajá


Marajá

O marajá é o fruto de uma palmeira de mesmo nome, comum em regiões alagadas como os igapós. Por possuir muitos espinhos, é preciso de atenção e cuidado ao apanhar os cachos de marajás de sua palmeira. Semelhante a aparência de um cacho de uvas, a fruta possui uma casca dura, em tons que variam do vermelho-tinto ao roxo-enegrecido, e uma polpa fina revestindo um grande caroço.
brasilsabor.com.br

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Nhoque de Forno Recheado com Presunto e Queijo

Nhoque de Forno Recheado com Presunto e Queijo


Ingredientes

Para o Nhoque:


2 quilos de batatas tipo Asterix
½ xícara (chá) de margarina
½ xícara (chá) de amido de milho
1 xícara (chá) de farinha de trigo
2 ovos
200 gramas de creme de leite
1 colher (sopa) de fermento químico em pó
100 gramas de queijo parmesão ralado grosso
1 colher (sopa) de sal

Para o Recheio:

200 gramas de presunto fatiado
200 gramas de mussarela

Para o Molho:

3 colheres (sopa) de azeite
1 dente de alho picado
1 cebola grande picada
600 gramas de mini tomates cortados em 4 partes
2 folhas de louro fresco
1 ramo de folhas de manjericão
sal e pimenta do reino a gosto

Modo de preparo

Para o nhoque, coloque todos os ingredientes em uma vasilha, misture e coloque metade deste nhoque em uma assadeira untada com margarina. Distribua o recheio e coloque por cima o restante do nhoque. Alise, espalhe mais parmesão e leve ao forno quente (180º) por aproximadamente 30 minutos. Enquanto isso, aqueça uma panela e refogue no azeite o alho e a cebola. Coloque os tomates, o louro, o manjericão e cozinhe em fogo moderado até que os tomates fiquem bem macios. Tempere e sirva sobre o nhoque.
Fonte-diadia.band.uol.com.br

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Aipo ou Salsão

Aipo ou Salsão

Também conhecido como salsão, o aipo é uma planta bastante aromática. 

É de cor verde e composto de talos e folhas.

É um alimento que pode ser consumido por inteiro, desde as folhas até a raiz.

Na culinária brasileira, é geralmente utilizado no preparo de sopas, saladas e como condimento.

Possui forma semelhante à salsa, porém, com tamanho bastante superior. 

Apresenta baixa quantidade de calorias (21 kcal por 100 gramas).

O aipo é rico em potássio, importante mineral para o funcionamento do organismo.

Costuma ser consumido cru, ralado ou cortado em rodelas.

Entre os meses de julho a novembro ocorre a sua safra.

É uma boa fonte de vitamina A e cálcio.
Fonte-http://www.suapesquisa.com/

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Rubacão


Rubacão


Ingredientes

  • Ingredientes:
  • ½ xícara de feijão branco cozido e sem a água.
  • 1 xícara de arroz branco cozido
  • 2 colheres (sopa) de charque refogado em cubos pequenos
  • 1 tomate sem pele e sem semente em cubos
  • 1 colher (sopa) de pimentão verde em cubos
  • 1 colher (sopa) de cebola em cubos
  • 2 colheres (sopa) de queijo de coalho em cubos
  • 4 colheres (sopa) de nata (creme de leite fresco)
  • Óleo para refogar
  • Sal a gosto

Modo de preparo

Refogar a cebola e o pimentão em óleo. Juntar o feijão, o arroz e o charque. Refogar. Por fim, juntar os ingredientes restantes. Refogar brevemente. Se necessário, corrigir o sal. Servir.



Tradicional iguaria nordestina, o rubacão é facilmente encontrado nos restaurantes regionais de João Pessoa. A receita consiste basicamente em um mexido feito com arroz, charque, legumes, queijo coalho, nata e feijão – que pode variar entre os tipos carioquinha, verde ou branco.

terça-feira, 26 de junho de 2012

Queijo




A arte da fabricação de queijos tem seu início perdido num passado remotíssimo, nada menos do que há 12 mil anos antes do nascimento de Cristo, num período conhecido como paleolítico superior. Segundo a lenda, o queijo teria sido descoberto por um dos filhos de Apolo, Aristeu, Rei da Arcádia.

Os egípcios estão entre os primeiros povos que cuidaram do gado e tiveram, no leite e no queijo, fonte importante de sua alimentação. Isso foi possível porque o fértil vale do Nilo possuía pastagens cheias de gado . Tão importante era o bovino para os egípcios que a simbologia desse povo eternizou sua importância colocando chifres de vaca sobre a cabeça da deusa Hathor. Queijos feitos de leite de vaca, de cabra e de ovelha também foram encontrados em muitas tumbas egípcias.

Passagens bíblicas registram o queijo como um dos alimentos da época. Na Europa, os gregos foram os primeiros a adotá-lo em seus cardápios, feito exclusivamente com leite de cabras e de ovelhas, animais que criavam. Entretanto, os romanos foram os responsáveis pela maior divulgação dos queijos pelo mundo. Na expansão de seu Império eles levaram vários tipos à Roma. Elevaram o nível do queijo, transformando-o de simples alimento para uma iguaria indispensável nas refeições dos nobres e em grandes banquetes imperiais. Os romanos apreciavam o queijo, do qual fabricavam inúmeras variedades e cujas virtudes conheciam, pois utilizavam-no na alimentação dos soldados e atletas.

Com uma relação profunda com a mitologia e as divindades, o leite e o queijo tiveram maior abrangência na antiga Suméria, passando pelas civilizações Babilônica e Hebraica, e acabando na Antiga Grécia e na civilização romana. Na Idade Média os queijos atingiram um dos pontos mais altos no que se refere à higiene. Certas ordens religiosas ganharam reputação por causa da qualidade dos seus queijos, devido às rígidas regras de higiene em sua manufatura. Tanto que o nome queijo deriva do termo medieval formatium, ou “queijo colocado na forma”.
O queijo primitivo era apenas o leite coagulado, desprovido de soro e salgado. A partir da Idade Média, a fabricação de queijos finos ficaria restrita aos mosteiros católicos, com novas receitas desenvolvidas por seus monges.

Com o advento das feiras e mercados nos séculos XIV e XV, algumas queijarias de regiões remotas ficaram mais visadas. No século XIX aconteceu o grande boom no consumo do queijo, afinal, a sua produção que era artesanal passou para a ordem industrial. Paralelamente, um fato também encorpou essa virada: a pasteurização.

Ao longo dos tempos, o queijo evoluiu até os que conhecemos hoje. E se tornou um produto de consumo de eleição com apreciadores espalhados pelos quatro cantos do mundo. Esse alimento nada mais é do que um derivado do leite concentrado através da coagulação e da eliminação da parte líquida (soro). Esses processos de coagulação e de eliminação do soro se convertem, assim, nas fases que caracterizam a produção de todas as variedades de queijo.
Fonte - http://www.queijosnobrasil.com.br/historia-dos-queijos.html

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Bolo de Macaxeira


Bolo de Macaxeira


Ingredientes

  • ½ kg de mandioca crua ralada
  • 2 ½ xícaras de açúcar
  • 1 coco ralado ou 1 vidro de leite de coco
  • 3 ovos
  • 2 colheres (sopa) de manteiga
  • 200 ml de leite
  • 1 pitada de sal

Modo de preparo

Bater todos os ingredientes no liquidificador. Colocar em forma com furo no centro, previamente untada com margarina. Assar em forno médio por aproximadamente 25 minutos. Verificar se o bolo está pronto, espetando um palito que deve sair seco. Desenformar depois de frio.
brasilsabor.com.br

domingo, 24 de junho de 2012

Brindamour, Brin d'Amour, e Fleur du Maquis



Fleur du Maquis - imagem Cut Selecionar
Brindamour, Brin d'Amour, e Fleur du Maquis


Leite : Ovelha ou cabra
Origem : Córsega 

História: Este queijo de ovelha da Córsega é variadamente chamado Brindamour, Brin d'Amour, e Fleur du Maquis. Um queijo de beleza impressionante, Fleur du Maquis é vendido em vários estágios de maturação.Quando jovem, o seu revestimento de agulhas de alecrim ainda é verde e do interior do queijo é neve branca com sabor de uma ovelha, fresco de leite.Como as idades de queijo, o interior fica macio e desenvolve um sabor mais forte, enquanto a seca de alecrim e pardos. Ele também exibe a característica de revestimento do molde difusa azul comestível entre a agulha de alecrim, pimentas, e bagas de zimbro que repousam em cima. O interior ainda é firme eo sabor tem absorvido as ervas de seu revestimento. Fleur du Maquis pares melhores com sabores salgados do que com coisas doces, como frutas. Tente com azeitonas, tomates e pimentas frescas.

igourmet.com

Formato : Traduzido como " bocado de amor "; um queijo rústico e delicado rolado em alecrim seco com baga de zimbro e pimenta-malagueta para acentuar; também conhecido como Fleur du Maquis.
Cor : Creme 
Gosto e Textura : Moderado com ervas e sabor de pimenta; textura macia. 

Vinhos : Tintos Tempranillo e Pinot Noir.

Dicas para servir : Use um pouco para esparramar em bolachas, pães, torradas; use para aperitivos especiais.
weblaranja.com

sábado, 23 de junho de 2012

Buriti-miriti



Buriti-miriti
Da sua polpa é possível fazer bebidas e mingau. É rica em vitamina A, cálcio, fósforo e ácidos graxos que combatem o envelhecimento. Fica uma delícia também em forma de sorvete, doce, creme e licor
Foto: Getty Images

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Manjericão ou basílico


manjericão no campo
Manjericão ou basílico



Histórico

Nativo da Índia, onde é cultivado quase que como planta sagrada, o manjericão é uma das mais importantes ervas culinárias. Sua mística espalhou-se pelo mundo, sendo usado, pelos gregos ortodoxos em rituais religiosos, e no interior do México, como “talismã do amor”. Com folhas decorativas e saborosas, dão um toque poético a diversos tipos de pratos.

Uso culinário

O manjericão é ideal para saladas, pratos de massa, omeletes, sanduíches e molhos à base de tomate. É famoso no preparo de pratos al pesto típicos da cozinha italiana. As folhas do manjericão são muito delicadas. Procure acrescentá-lo ao prato cozido, no último instante.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Gouda




Semiduros

Gouda

Características: sabor suave e amanteigado

Origem: Holanda

Leite: vaca

Sirva com/Combina com: Recheio de tortas e aperitivos. “O gouda pode ser cortado em cubinhos para colocar em saladas, mas também pode ser fatiado para sanduíches. É um queijo que se combina bem com frutas também”, observa o queijólogo Disney 

Fonte: Mireille Sauron, consultora de queijos do Pão de Açúcar; chef Alain Uzan; Marcos Madeiro, gerente comercial Brasil da Allfood; Carolina Duarte, nutricionista da Tirolez
Foto: Getty Images

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Aspargo


A palavra Aspargo é originária do persa “asparag”, que se refere a brotos que podem ser consumidos. Devida a sua forma fálica, foi considerado muito tempo como um afrodisíaco. A Ayurveda considerada a raiz do Aspargo importante para desenvolver a paz mental, a natureza amorosa, a boa memória e um espírito tranqüilo.
Fonte-http://websmed.portoalegre.rs.gov.br/



O Aspargo é um alimento com grande potencial diurético, embora não seja um ingrediente encontrado em todas as cozinhas possui propriedades nutricionais surpreendentes por possuir em sua composição aminoácidos de alto valor biológico como a aspargina e a arginina, além de um extenso leque de vitaminas e minerais.

Devido ao seu efeito drenante, o consumo de Aspargos é aconselhado para doentes com problemas de vesícula e de rins, além de ser utilizado como depurativo, desempenhando um efeito muito positivo para a limpeza e beleza da pele.

O valor calórico associado a este vegetal é muito baixo tornando um ingrediente essencial para dietas de emagrecimento.

Os Aspargos podem ser consumidos ao natural ou em conservas, e são um bom acompanhamento para pratos simples ou refinados.
Fonte-http://www.tuasaude.com/

Uma curiosidade sobre os aspargos: O jardineiro de Luís XIV foi condecorado por ter descoberto uma forma de cultivar aspargos pelo ano todo. No mesmo período, foi descoberto o cultivo dos aspargos brancos.
Fonte-http://comofas.com/

terça-feira, 19 de junho de 2012

Alcarávia ou Kummel




Você vai encontrar a alcaravia com várias nomenclaturas. Algaravia, cominho-armênio, kümmel ou cominho de pão.

O mais usual e correto é Alcaravia ou Kummel. E assim mesmo, Kummel tem uma explicação bem simples. Com o óleo que é extraído dos grãos da alcaravia é preparado o famoso licor Kümmel, muito apreciado em países nórdicos.

Alcaravia é uma planta herbácea da família das umbelíferas, cujas sementes contêm óleo essencial, têm uso em medicina e culinária. É originária da região compreendida entre o centro da Europa e a Ásia e tem-se conhecimento de seu uso pelos povos romanos.

As folhas parecem com as da cenoura, suas flores são brancas, pequenas e estão em pequenas umbelas (formato de um guarda-chuva). Seus frutos são pequenos, parecidos com os da erva-doce.

Da alcaravia, usa-se, sementes, folhas e raízes.



As sementes são picantes e levemente adocicadas. Lembram o sabor de erva-doce, utilizadas na culinária nórdica, que aromatizam queijos, pães e vários preparados salgados, como “pretzels” ( pão tradicional alemão em forma de nó).

É o tempero mais característico das culinárias Alemã e Austríaca, fundamental no preparo dos licores, aguardentes e do queijo tipo “Tilsit” alemão (parecido com o nosso queijo prato só de consistência mais dura).

Estudiosos e pesquisadores afirmam que a especiaria alcaravia possui propriedades medicinais antiácidas, anti-flatulentas, aromáticas, digestivas, laxantes, purgativas e é indicada para afecção do estomago. Também indicada para a falta de apetite. Deve-se usar com cuidado, pois em grandes quantidades pode ser tóxica (carvona). Consequentemente, a indicação de uso por parte de um especialista faz-se, sempre, necessária.

Em culinária, harmoniza bem com carnes, salsichas, sopas, queijos, pães, biscoitos, maçãs assadas. Indispensável  para dar sabor ao chucrute alemão (principalmente o repolho quente) e ao curry indiano. Suas folhas podem ser usadas em saladas.
Fonte-http://armazemdasespeciarias.com.br

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Batata Doce

Sabia que a batata pode ser uma grande aliada na sua dieta? Pois é, pode sim, mas estamos falamos da batata-doce. Esse tubérculo pouco utilizado na nossa culinária, exceto em épocas de festa junina, se diferencia da batata-inglesa por ser uma raiz que absorve e armazena muito mais nutrientes, tais como: vitaminas C e E, vitaminas do complexo B, cálcio, magnésio, ferro, fósforo, potássio, betacaroteno e antocianinas.


Flores da Batata Doce

Existem quatro tipos de batata-doce no Brasil, classificados segundo a cor da polpa: 1) a batata-branca (também denominada angola ou terra-nova) não é muito doce e apresenta polpa bem seca; 2) a batata-amarela também apresenta polpa seca, embora mais adocicada; 3) a batata-roxa apresenta casca e polpa dessa cor, sendo a mais apreciada pelo sabor e pelo aroma; 4) a batata-doce-avermelhada (conhecida pelos nordestinos como coração-magoado) tem casca parda e polpa amarela, com veios avermelhados ou mesmo roxos. 


Planta-Batata Doce

Cada tipo de batata-doce possui uma cor e essa cor se deve a compostos bioativos, por exemplo: a coloração amarelada deve-se à presença de betacaroteno, que possui ação antioxidante e previne certos tipos de câncer, a coloração arroxeada é formada pela deposição de antocianinas, pigmentos naturais com ação igualmente antioxidante.
Batata Doce Branca

Embora a batata-doce seja mais calórica do que a batata-inglesa, ela possui carboidratos complexos de baixo índice glicêmico que, digeridos e absorvidos lentamente, estimulam pouco a liberação de insulina, reduzindo o risco de diabetes, obesidade e, ainda, controlando o apetite. Um desses carboidratos é o amido resistente, que nem sequer sofre digestão e comporta-se como uma fibra insolúvel, atraindo moléculas de açúcar e gordura e retardando a sua absorção, evitando assim o aumento de LDL-colesterol, a fração nociva do colesterol, e de triglicerídeos. 

Batata Doce Roxa

Portanto, as diferentes batatas-doce são ricas em nutrientes e compostos bioativos, além de possuírem carboidratos de baixo índice glicêmico. Todas essas qualidades fazem desse tubérculo um alimento funcional, com ação antioxidante, desintoxicante, alcalinizante, anti-inflamatória e de combate ao ganho de peso, ao envelhecimento precoce e ao risco de desenvolvimento de doenças crônicas.

E como incluir a batata-doce no nosso dia-a-dia?

Podemos utilizar a batata-doce não somente em preparações doces, mas também nas salgadas, como se fosse a batata-inglesa. É possível fazer purês, salada, sopa e bacalhoada. 
Fonte-choicenutricao.blogspot.com.br

domingo, 17 de junho de 2012

Guariroba, ou Gueroba

Palmito amargo, é utilizado frio em saladas ou quente, cozido puro ou misturado com carnes e no famoso empadão goiano. Diferente do palmito comum, a guariroba, ou gueroba, tem uma textura firme. Seu sabor amargo, combina com carne e sabores ácidos, como vinagre ou limão.


Devido a sua consistência, a queroba não se come crua, é necessário cozinhá-la. Aproveita-se da planta o palmito, que é a extremidade do caule, junto as folha. Derruba-se a planta e corta-se cerca de 60 cm da extremidade, limpa-se as folhas e retira as partes mais duras. Ao cortar o palmito, este em contato com o ar, enegrece. Por isso é mergulhá-lo imediatamente na água após picá-lo. Esta água deve ser dispensada, até mesmo como forma de retirar um pouco do amargo. Fazendo esta lavagem várias vezes o amargo diminui substancialmente. Porém, perde-se seu gosto e a principal característica desta iguaria, o amargo.

Também se aproveita os cocos. Apesar da gueroba ser muito apreciada em Pirenópolis, seu coco é pouco usado.

A guariroba, Syagrus oleracea da família Palmae, é uma palmeira que pode atingir até 8 metros de altura, encontrada nas matas secas e cerradões e também cultivada pelo homem. Utiliza-se desta planta o seu palmito e os cocos, que madurecem no final do ano. Em Pirenópolis é mais comum a utilização de seu palmito, que possúi um gosto armago característico. Também é utilizada para a arborização urbana, estas palmeiras estão nos canteiros centrais das principais avenidas de Pirenópolis.


Consome-se o palmito da guariroba, ou gueroba, cozido, refogado, escaldado sob forma de salada fria e em pratos típicos como o empadão goiâno. Planta de utilização bastante antiga como alimento, herança indígena, citada em relatos de expedições do século XVIII como jaguaróba. Diferente do palmito convencional, extraído da popunha, açaí ou juçara, a guariroba além de amarga tem a consistência mais firme. Para se extrair o palmito, que é o broto terminal, é necessário a derrubada de toda a árvore. Por tanto a extração da palmeira guariroba em ambiente natural é proibida, mas a espécie é cultivável, o que garante o fornecimento às mesas.
Fonte e Fotos-www.pirenopolis.tur.br
Foto-http://dc105.4shared.com

sábado, 16 de junho de 2012

Cantal



Quando jovem é bem suave e, já amadurecido, traz sabor intenso. 


 
Queijo de origem francesa ( Auvergne) com massa compacta, semidura, não é cozida e é prensada 2 vezes. Há 3 versões: fermier, coopérative e industriel. Quando jovem é bem suave e, já amadurecido, traz sabor intenso. Feito com leite de vaca não-pasteurizado, tem formato de tambor e pesa cerca de 45 kg. É seco e enfarinhado, além de escurecer com o tempo. Leva de 3 a 6 meses para maturar. Com cerca de 45% de gordura, o cantal com affinage* (maturação) de 6 meses tem casca natural, amarelo escura, manchas vermelhas e tons de laranja.
*Affinage: o queijo passa por uma sala fria, úmida e escura; é virado e esfregado 2 vezes por semana por pelo menos 30 dias após a fabricação.
queijosnobrasil.com.br

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Camu-camu




Camu-camu
Dentre os frutos pouco conhecidos, o camu-camu é um dos mais poderosos. Típico da Amazônia, ele tem o maior teor de vitamina C do mundo entre as frutas. Já é exportado para o Japão, entre outros países. É considerado um bom tira-gosto e isca para peixe.
Foto: Getty Images

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Como Fazer Fios de Caramelo

Olá, como vai você?
Vamos aprender a fazer fios de caramelo para decorar as nossas sobremesas?
É só seguir o passo a passo, vai ficar lindo!


Acabamento - Com uma tesoura, corte os desenhos no tamanho desejado.

Tigela como suporte - Com papel-alumínio, forre o lado de fora de uma tigela média. Ela será utilizada apenas como suporte para você preparar os fios de caramelo.

Prepare o caramelo - Em uma panela, misture 2 xícaras (chá) de açúcar e 1 xícara (chá) de água. Leve ao fogo brando, sem mexer, até alcançar o ponto de caramelo. 


Utilize o pente culinário - Mergulhe o pente no caramelo e deixe escorrer os fios sobre a tigela virada de cabeça para baixo.














Vai e volta - Faça movimentos circulares ao redor da tigela várias vezes. 

Ponto do fio - Atente para obter fios bem finos e delicados. Não se preocupe com o emaranhado que vai se formar.


Acabamento - Com uma tesoura, corte os desenhos no tamanho desejado.



Fonte - http://mdemulher.abril.com.br/culinaria/fotos/especiais

Manjerona


Origanum majorana.jpg
Manjerona

Histórico

Da família do orégano, a manjerona era uma das ervas favoritas de Afrodite (deusa do amor) e simbolizava a felicidade. Até hoje, é tida como a erva do amor eterno, usada em enfeites por noivos e amantes. Quem visita a Grécia, se depara com manjeronas silvestres cobrindo a paisagem, exalando seu perfume singular. Foi introduzida na Europa na Idade Média, sendo muito apreciada pelas damas sob a forma de sachês.

Uso culinário

As folhas da manjerona são muito populares na cozinha grega e italiana. São usadas no preparo de pratos como carne, sopas, molho de tomate, pizzas, e para dar sabor em óleos e vinagres. Ótimo no preparo de condimentos para suflês, omeletes, batatas e pratos com queijo.

terça-feira, 12 de junho de 2012

Dia dos Namorados


A origem do dia dos namorados é cercada de controvérsias...

No Brasil, o dia dos namorados é comemorado em 12 de junho, na véspera do dia de Santo António, o santo casamenteiro de origem portuguesa.

Existem várias teorias para explicar porque razão o dia 14 de fevereiro (no hemisfério norte) se tornou sinônimo de romance.....

Escolhemos três!
 
Desde o início dos tempos, que os homens celebram a fertilidade da terra na primavera...
Os romanos homengeavam Juno, filha de Saturno e mulher deJúpiter.

Juno era conhecida por ser a protetora das mulheres de Roma e por isso mesmo considerada a Deusa das mulheres e do casamento.

Entre os dias 13 e 15 de fevereiro, os Romanos celebravam a Festa de Lupercália em que clamavam por saúde e fertilidade.
Vermeer
Lupercália depois fundiu-se com o festival da purificação dos espíritos chamado Februa ou Februatio e por isso o nome do mês de fevereiro.



Durante este festival, as mulheres escreviam cartas de amor, ou bilhetes e as deixavam em uma urna.
Ao passar pela urna, os homens retiravam um bilhete ao acaso e iam atrás da mulher que o havia escrito.
Esta tradição continuou até o século XVIII quando a sociedade passou a valorizar mais a escolha de seus parceiros ao invés de confiar
simplesmente na casualidade. 
Outra teoria para o dia dos namorados ou Dia de São Valentim é fundamentada no fato de que na idade média, acreditava-se que os passaros e os insetos se acasalavam no dia 14 de fevereiro...
um pouco antes do inicio da primavera no hemisfério norte....
Vale dizer, que desconhecia-se terras no hemisfério sul... e consequentemente diferenças nas estações do ano.....

Outra teoria que selecionamos para o dia de São Valentim sugere que ao escavarem uma antiga catacumba romana, os arqueologistas encontraram a ruína de uma igreja dedicada a São Valentim.

A igreja católica reconhece pelo menos três santos diferentes chamados Valentine ou Valentinus... e todos os três foram martirizados no dia 14 de fevereiro.

O candidato mais popular para São Valentim (patrono dos enamorados) era um padre romano do século III que praticava o cristianismo e celebrava secretamente casamentos. Naquela época, o imperador Claudius II havia proíbido os casamentos sem sua expressa autorização, pois ele  acreditava que os soldados solteiros eram mais propensos a alistarem-se no exercito e lutarem em suas guerras.

Ao ser preso sob a ira do imperador, que o considerava um traidor, Valentim  acabou por apaixonar-se pela filha de seu carcereiro. Segundo a lenda, um pouco antes de sua execução, no dia 14 de fevereiro do ano 270 A.D, Valentim escreveu uma carta apaixonada à sua amada assinando "do seu Valentine”.
Os primeiros cristãos preferiam homenagear um santo dedicado às causas românticas de que celebrar um festival pagão...

Em 496 A.D., o Papa Gelasius designou o dia 14 de fevereiro em homenagem a St Valentine, o patrono dos enamorados.....

Em 1969, o Papa Paulo VI retirou este feriado do calendário por não haver provas de sua existência.
No entanto, a mescla entre festivais pagãs e o cristianismo já deu lugar a inúmeros festivais.
portuguese.blogspot.com.br


segunda-feira, 11 de junho de 2012

Manuê


Manuê (bolo de mandioca)


Em várias comunidades ribeirinhas que vivem no norte e no nordeste do país, a mandioca, rica em amido e sais minerais, é a principal fonte alimentícia. Planta que cresce fácil, resistente a pragas e doenças, e que se adapta bem ao clima quente e úmido, a mandioca é utilizada em grande variedade de receitas, dentre as quais, o manuê.

Ingredientes

  • 1/2 kg de mandioca crua ralada e descascada
  • 2 1/2 xícaras de leite de coco
  • 3 ovos
  • 2 colheres (sopa) de manteiga
  • 1 copo de leite
  • 1 pitada de sal

Modo de preparo

Bater todos os ingredientes no liquidificador. Colocar em forma com furo no centro, previamente untada com margarina. Assar em forno médio por aproximadamente 25 minutos. Verificar se o manuê está pronto, espetando um palito que deve sair seco. Desenformar depois de frio.